Como fazer o planejamento financeiro considerando as dívidas da empresa?

Equipe BDMGEquipe BDMG - 27 de novembro de 2018.

Muitas pessoas têm uma visão negativa e fogem de tudo o que possa envolver a palavra dívida. Sem dúvida, essa é uma palavra que perturba a vida de milhares de gestores, não é mesmo? Entretanto, saber como lidar com as dívidas pode garantir o sucesso financeiro da sua empresa.

Mas como considerá-las no meu planejamento financeiro?

Se você também tem essa incerteza, fique atento, pois controlar as dívidas que podem surgir durante sua caminhada como empreendedor é uma tarefa essencial.

Mas primeiro: qual é o real significado de dívida?

Qual é o significado de dívida?

É comum muitas pessoas acreditarem que dívida é apenas algo que já está vencido ou negativado, porém as parcelas futuras, como aquelas de um novo computador que você acabou de adquirir, já são dívidas que devem ser consideradas no cálculo de planejamentos futuros.

Ou seja, dívida nada mais é que uma obrigação que uma pessoa ou empresa contraiu e que se tem de pagar a alguém.

No entanto, é fundamental ter em mente que existem certos tipos de dívidas que podem ser consideradas boas, ou seja, contraí-las pode significar fazer um investimento que trará um retorno positivo, como contrair um financiamento para expandir e abrir uma nova unidade da sua empresa - desde que as parcelas caibam no seu bolso e as taxas não sejam muito altas.

O perigo existe quando a renda da sua empresa fica totalmente comprometida e não existe nenhuma folga para pagar pelo menos uma parte da dívida. Por exemplo, se sua empresa compra um novo armário para o escritório e parcela em 10 vezes, consequentemente, já estará em dívida com a loja. Porém, se a data de vencimento chegar e você não tiver dinheiro em caixa para pagar as parcelas, sua empresa se tornará inadimplente. Assim, a dívida se multiplica com os juros e quitá-la parece algo cada vez mais distante.

Se esse é o seu caso, não se desespere! A seguir, vamos apresentar algumas dicas e passos para você conseguir realizar o planejamento financeiro da sua empresa e saber como lidar com as dívidas: as futuras e as já contraídas.

Como considerar as dívidas no meu planejamento financeiro?

Segundo pesquisa feita pela Serasa Experian, em abril de 2018 foram registrados cerca de 5,4 milhões de CNPJs negativados no Brasil, uma alta de 8% em relação ao mesmo período no ano de 2017.

Pode parecer simples, mas basta planejar seu orçamento e controlar seus gastos que já é possível lidar com as dívidas de uma forma mais segura e "sair do vermelho" ou, até mesmo, desse índice de negativados.

Antes de mais nada, é importante esclarecer que um planejamento financeiro serve para organizar as suas receitas e despesas. Tanto o que já passou, quanto o que está por vir. Assim você não perde de vista suas obrigações.

Dessa forma, para traçar um bom planejamento é necessário ser realista: entender o verdadeiro tamanho da dívida e analisar com calma e detalhadamente suas finanças para buscar as melhores soluções.

Como fazer o planejamento da minha empresa?

A seguir, separamos três passos principais para você realizar um planejamento eficaz para a sua empresa. Coloque-os em prática e mantenha a saúde financeira do seu negócio. Vamos lá!

  • Avalie sua situação financeira

Para restabelecer o controle das dívidas é preciso ter uma noção clara de sua situação financeira. Realize uma avaliação de todas em aberto e o seu valor total.

Também é indispensável anotar as informações essenciais, como as taxas de juros, as parcelas a vencer, os pagamentos mensais e o valor principal das despesas pendentes.
Após reunir essas informações, você entenderá a real situação de suas dívidas e a dimensão de seu desafio. Assim, você pode traçar estratégias para conseguir resolvê-las da melhor forma.

Já falamos aqui em nosso blog sobre os 5 indicadores de desempenho que sua empresa não pode deixar de avaliar. Aliás, um bom empreendedor precisa examinar constantemente a saúde do seu negócio.

  • Priorize suas dívidas

O próximo passo é priorizar as dívidas. Embora todas sejam importantes, algumas são mais que outras e devem ser quitadas primeiro, pelo fato de implicarem a perda de algum bem da sua empresa. Em algumas, é possível renegociar os juros cobrados e também propor algum acordo ou novo parcelamento, o que pode ser interessante para o seu negócio.
Os impostos, o aluguel, as contas de consumo (água, luz e telefone), a hipoteca, os débitos com juros muito altos, entre outras dívidas precisam receber uma atenção especial.

  • Controle os gastos desnecessários

Após fazer um diagnóstico financeiro e priorizar as principais dívidas, você percebe que quase toda a renda está comprometida com gastos desnecessários, o que fazer nesse momento?
A principal recomendação é cortar todos eles. Mas, como defini-los?

Gastos desnecessários vão desde despesas com papel sulfite e copos de água, até um estoque mal planejado (em que o capital é investido em um produto que não tem giro e demanda).
Controlando os gastos da sua empresa você consegue direcionar o dinheiro para iniciativas que farão seu negócio crescer, pois menos gastos significa um lucro maior.

Planejar é essencial. Nenhuma empresa consegue sobreviver muito tempo sem avaliar constantemente sua situação financeira e priorizar suas obrigações e dívidas. Portanto, implantar uma cultura de redução de despesas e corte de gastos pode ser um diferencial que permitirá sua empresa desafogar um pouco a “corda do pescoço”.

Por isso, para conhecer outros conceitos importantes que ajudam a melhorar a gestão financeira da sua empresa, acesse nosso infográfico. 

ebook-glossario-financeiro

Para ficar por dentro dos conteúdos exclusivos do BDMG sobre educação financeira e recebê-los diretamente no seu e-mail, assine nossa newsletter.

Assine a Newsletter.

Posts relacionados

Comentários