As lições de uma mãe empreendedora sobre crédito

Equipe BDMGEquipe BDMG - 29 de Outubro de 2018.

empreendedoras_de_minas_BDMG_diadasmãesElas são líderes, empreendedoras e mães. Não poderíamos deixar de, no mês do Dia das Mães, destacar a importância dessas mulheres que conciliam, ao mesmo tempo, o cuidado com a empresa e com os filhos.

Segundo a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), divulgado em 2017, a mais importante sobre o tema, metade dos novos empreendedores (donos das empresas com até três anos) são mulheres. Considerando o total de empresários, elas já representam 32%.

Dados da pesquisa da Rede Mulher Empreendedora (RME), de 2017, mostram que a cada 100 novas empresas abertas no Brasil, 52 são de mulheres. Depois de entrevistas com 1.376 brasileiras, a RME descobriu que: 79% delas possuem nível superior ou mais; 55% têm filhos; 44% são chefe de família. A média da idade na qual começaram suas empresas é de 38 anos.

Segundo a pesquisa, 52% das mulheres optaram pelo empreendedorismo pela flexibilidade de horários; 40% para aumentar a renda e 30% para terem mais tempo com a família.

Para aquelas empreendedoras que atualmente são mães, a RME descobriu que a maternidade foi a razão pela qual 75% delas começaram o próprio negócio. Para Sônia Oruy (foto acima), fundadora da Kawá Cintos, em Juiz de Fora (MG), começar a vender cintos foi uma necessidade que foi complementada pela experiência da maternidade.

kawácintos_empreendedorasdeminas_bdmg“Para ser uma mãe empreendedora precisa de jogo de cintura”

Em 1987, Sônia estava desempregada, e, como muitas brasileiras, resolveu empreender porque enxergou uma oportunidade. “Na época, cintos estavam na moda, fazendo muito sucesso, então tive a ideia de abrir minha empresa e começar a produzi-los”, afirma. Surgia, então, a Kawá, fabricante de cintos, em Juiz de Fora. “Deu tão certo que meu marido saiu do emprego para me ajudar. Atualmente, toda a minha família nuclear trabalha na empresa.”

Sônia não é nova aos financiamentos. Em um primeiro momento, recorreu a um empréstimo para ampliar a produção, o que foi ótimo para os negócios. Mais recentemente, o ambiente econômico não foi bom para a Kawá, e Sônia precisou recorrer ao BDMG para fechar as contas e não ficar no vermelho. E como uma mãe que cuida de um filho, ela não deixou as coisas ficarem piores antes de agir. “Nos sinais de instabilidade, recursos assim são muito bem-vindos para não ficar em uma situação pior”, afirma.

Como mãe e empreendedora, Sônia conta que é importante ter jogo de cintura para saber quando ser mais exigente e na hora de enfrentar desafios. E não se arrepende de nenhuma das duas escolhas que fez e que trazem alegria à sua rotina.

“Apesar dos momentos difíceis ou talvez por causa deles, sempre vale a pena. Ser mãe e empreender também.”

Para apoiar as micro e pequenas empresas controladas por mulheres e incentivar o surgimento de novas empreendedoras como a Sônia, o BDMG lançou recentemente a nova linha de crédito para capital de giro Empreendedoras de Minas e entende que esse tipo de financiamento pode ajudar as mamães empresárias que têm essa nova rotina. “No começo, não é fácil conciliar a criação dos filhos e o desenvolvimento da empresa, mas é possível”, afirma Sônia. “Hoje os meu filhos já estão criados e trabalham na Kawá junto comigo, contribuindo muito para a empresa.”

Você pode usar nosso simulador para solicitar seu crédito dentro do Empreendedoras de Minas. Solicite agora.

Nova call to action

Assine a Newsletter.

Posts relacionados

Comentários